inicio | notícias | testemunhos | contactos  
Rancho Folclórico   Grupo de Bombos   BTT/Ciclismo   Pedestrianismo
Continuaremos a dar uma imagem do Antigamente ainda tão presente. Constituído por cerca de 20 elementos, este grupo de zé-pereiras pertence à grande Família ACRTX. Mantemos a organização anual dos nossos Passeios, procurando sempre percursos novos e interessantes. Mais do que andar a pé, o pedestrianismo é uma actividade praticada em permanente contacto com a natureza.
ver mais ver mais ver mais ver mais
 
Actividades
 
16   Tradiocional Jogo da Panela e Mostra de Olaria Preta
ABR
14   17ª Caminhda da Primavera
MAI
Ver tudo
Notícias
Jogo da Panela em Domingo de Páscoa é uma tradição da aldeia de Tourencinho
[ler mais]
Equipa de ciclismo em tres frentes
[ler mais]
Volta a Lugo em Master e 1ª Prova da Taça de Portugal XCM em Melgaço
[ler mais]
CTM Vila Pouca Aguiar 2017 - 1ª Prova Campeonato Arcvr Ciclismo
[ler mais]
Ver tudo
 
Patrocínios
 
 
História do Rancho Folclórico
 

O Rancho Folclórico Senhora do Extremo foi fundado em Abril de 1983 Por “ Manuel A. Borges Machado e Manuel A. Dias Lameira”, com a colaboração daqueles que participavam no mesmo, assim como de outras pessoas que gentilmente cederam os locais para os primeiros ensaios,

Fez a sua primeira actuação em público na Festa de são jorge no ano de 1983 em tourencinho, sendo desde antão solicitado a participar em diversos encontros, romarias e festas que se realizavam nesse tempo.

O Rancho Folclórico Senhora do Extremo, apresenta-se com traje dos camponeses, traje do Malhador de Centeio, traje da Dona de casa, traje das Pessoas de apoio ao campo, traje do Manuseamento da lã de ovelha, o famoso traje de noivos e traje de domingar. Todos estes trajes que transportamos do passado têm a sua história.

A tocata é composta por instrumentos tradicionais tais como acordeões,consertinas, violas, cavaquinho, bombo, reca, ferrinhos e pandeiro.

O seu repertório é composto por danças de romaria, festas, terreiro e fins de trabalhos afrícolas: vira, malhão e rusgas.

As danças não têm história. Todas elas nos falam da história que foi e é escrita todos os dias, nos trabalhos do campo, pelo seu povo.

Canções regionais, compostas por solo e coro, cantadas a caminho das romarias, nos terreiros, nas desfolhadas, nas fiadas, matanças do porco e nos campos, durante os trabalhos agrícolas.

Este grupo é normalmente composto por 45 elementos, 24 mulheres e 21 homens, com idades compreedidas entre os 6 e 70 anos.

O nosso grupo possui alguns troféus, que testemunha o seu valos folclórico.

Estamos vocacionados para recolher, preservar e divulgar os usos e costumes dos nossos antepassados.

 

"Continuaremos a dar uma imagem do Antigamente ainda tão presente"