inicio | notícias | testemunhos | contactos  
Rancho Folclórico   Grupo de Bombos   BTT/Ciclismo   Pedestrianismo
Continuaremos a dar uma imagem do Antigamente ainda tão presente. Constituído por cerca de 20 elementos, este grupo de zé-pereiras pertence à grande Família ACRTX. Mantemos a organização anual dos nossos Passeios, procurando sempre percursos novos e interessantes. Mais do que andar a pé, o pedestrianismo é uma actividade praticada em permanente contacto com a natureza.
ver mais ver mais ver mais ver mais
 
Actividades
 
16   Tradiocional Jogo da Panela e Mostra de Olaria Preta
ABR
14   17ª Caminhda da Primavera
MAI
Ver tudo
Notícias
Jogo da Panela em Domingo de Páscoa é uma tradição da aldeia de Tourencinho
[ler mais]
Equipa de ciclismo em tres frentes
[ler mais]
Volta a Lugo em Master e 1ª Prova da Taça de Portugal XCM em Melgaço
[ler mais]
CTM Vila Pouca Aguiar 2017 - 1ª Prova Campeonato Arcvr Ciclismo
[ler mais]
Ver tudo
 
Patrocínios
 
 
A Aldeia
 

A aldeia de Tourencinho, está situada no extremo sul do Vale de Aguiar, Conselho de Vila Pouca de Aguiar, onde pertence actualmente à freguesia de Telões, mas tempos houve que pertencia à freguesia de São Salvador da Pena, é sem dúvida dos lugares mais antigos desta paróquia, visto que já antes do Século XIII era uma das “vilas” que mais numero de casais ( oito ) tinha, sendo que todos eles eram Reguenguos, e pagavam de foro a corte dois moios ateigados assim como ainda cada casal pelas direituras mais uma espadua e dois pães centeios, para além disso havia ainda o sustento do mordomo e do serviço no castelo.

Por tudo até aqui encontrado nos escrito nos Arquivos Nacionais da Torre do Tombo, todos os autores indicam que esta povoação recebeu foral na primeira metade do século XIII, já no Núcleo Antigo 264, aquando do inventário mandado fazer pelo então Marquez de Castelo Rodrigo , D. Cristovão de Moura, senhor destas terras e com provizão passada por El Rei de Portugal D Fillipe II no dia 26 de Abril de 1599 com vista ao levantamento de todos os bens propriedades, foros, pensões, direitos, rendas e mais cousas nestas terras, para assim se saber o que era Reguenguo, Abadio ou Igreijerio, assim como o que andava sonegado(5) inventário esse que foi feito pelo Bacharel Fillipe Boutaca Henriques juiz deste Tombo, sempre acompanhado por o seu escrivão Álvaro Teixeira Pereira e os homens bons da terra, faz referência a dois forais que dizem existir, sendo que tudo leva a querer que seja um da aldeia de Tourencinho e o outro da aldeia dos Xudreiros, este sim dado por D. Affonso III a três casais, e registado em Lisboa no dia 24 de Agosto de de 1311 e que está referenciado na Torre do Tombo.

A história da aldeia de Tourencinho não se pode separar da aldeia dos Xudreiros pois já em 22 de Junho de 1515 quando o Rei D. Manuel outorga o Foral dado as Terras de Aguiar da Pena, já fala da aldeia dos Xudreiros como aldeia erma e não havendo memória de ser povoada sendo que todas as suas terras ficam para a aldeia de Tourencinho a qual paga os direitos, assim como no Núcleo Antigo 264 onde discrimina o que paga cada casal pelas terras da aldeia dos Xudreiros.

Diz a lenda que nos chegou até hoje que as pessoas que viviam na aldeia dos Xudreiros foram atacadas por formigas, sendo que tiveram que fugir para a aldeia de Tourencinho. Ainda hoje são visíveis os vestígios desta mesma aldeia como por exemplo um Dólmen.

Tourencinho ao longo de toda a sua historia, foi sempre uma aldeia onde existiam pessoas que se dedicavam ao trabalho do Barro par alem doutras actividades artesanais tais como a tecelagem do linho e lã, sendo que a mais importante era sem duvida o barro quer para fabricar a louça preta, quer no fabrico da telha no lugar do Barreiro.
Trabalho esse (telha) que só era feito nos 3 messes do Verão embora o fabrico da loiça preta era todo o ano. Havia um número muito elevado de famílias que se dedicavam ao fabrico desta louça.

Hoje Tourencinho é uma aldeia com características rurais, onde as pessoas todas se conhecem e no seu dia a dia se entre ajudam nos trabalhos agrícolas.